Torres Vedras

Agenda

Prémio Internacional de Composição Darcos (2ª edição)

Temporada Darcos

24 de maio de 2024 | sexta | 21h30

Música /assets/upload/agendagrupos/agenda-temporada-darcos-24-847x476px/agenda-temporada-darcos-24-847x476px.jpg

Evento já ocorrido

Local: Átrio da Câmara Municipal de Torres Vedras

Esta atividade integra o(s) programa Temporada Darcos 2024

O concerto da 2ª edição do Prémio Internacional de Composição Darcos convoca dois compositores díspares na forma e conteúdo, mas em que a erudição, a Fé, e o panejamento onírico são pilares da sua discursividade musical.

Considerado um dos compositores mais fascinantes do século XX, Olivier Messiaen (1908-1992) estava estacionado na base militar de Verdun quando, em meados de Junho de 1940, em plena invasão de França pelas tropas nazis, foi capturado e enviado para um campo de concentração de prisioneiros de guerra, o Stalag VIII-A, em Görlitz, Alemanha. Com ele seguiram Etienne Pasquier (violoncelista) e Henri Akoka (clarinetista), ao que se veio juntar o ator e violinista amador Jean Le Btoulaire. A 15 de Janeiro de 1941, no Barracão 27 de Stalag VIII-A, estreava um quarteto para violino, violoncelo, clarinete e piano.

Nas palavras de Messiaen, “para o fim dos tempos”, um ato de fé, evocativo do fim dos conceitos de Passado e Futuro, o “início da eternidade”, o quarteto está divido em oito partes, as primeiras sete correspondem aos sete dias da criação e o último à “luz indefectível, da inalterável paz”. Em concerto, ouviremos apenas as partes V e VIII. Figura incontornável das últimas décadas no panorama musical português, Eurico Carrapatoso (1962) assume a tonalidade, a música tradicional, a citação e o humor como instrumentos ao serviço da sua personalidade criativa, recursos estilísticos pouco usuais na era pós-moderna, longe dos pressupostos estéticos da contemporaneidade mas profundamente enquadrados numa estética pessoal refinada e numa intertextualidade luxuriante.

Composta em 2009, encomenda da Temporada Darcos, O Espelho da Alma, op.56, tem como subtítulo Subsídios para o estudo de uma orografia musical portuguesa. Para violino, viola, violoncelo e piano, é constituída por sete andamentos, baseados em melodias tradicionais portuguesas, definindo um périplo, segundo o compositor, em torno “de várias personagens psicológicas”, Eterno, Pírrico, Sedoso, Careto, Saudoso, Pícaro e Materno, “com que encerra e que consiste num embalo transmontano”. Diz-nos ainda que esta obra percorre “um património da Humanidade que faz parte do dia-a-dia, no qual estas cantigas tradicionais concebem o que é o paradigma rural português genuíno e antigo”. Espelho da Alma é o ponto de partida para as obras a concurso nesta 2ª edição.

O. Messiaen (1908 – 1992)

Dois andamentos da obra

“Quarteto para o fim dos

tempos”

I. Louange à l’Éternité de Jésus

II. Louange à l’Immortalité de Jésus

2 Obras finalistas a concurso

E. Carrapatoso (n.1962)

Espelho da Alma (subsídios para o estudo de uma orografia musical portuguesa)

I. Eterno

II. Pírrico

III. Sedoso

IV. Careto

V. Saudoso

VI. Pícaro

VII. Materno

ENSEMBLE DARCOS

 

 


Atividade Gratuita


Publicado: 23.01.2024 - 17:04 horas
voltar ao topo ↑