Torres Vedras

Paisagem protegida

Conteúdos desta página

  1. Património cultural
  2. Património natural
  3. Lazer
  4. Mapa
  5. Contactos
  6. Revista

logótipo da APPSA

A Paisagem Protegida Local das Serras do Socorro e Archeira (PPLSSA) abrange 1223 hectares e distribui-se maioritariamente pelas Freguesias do Turcifal e União das Freguesias de Dois Portos e Runa, englobando ainda pequenas áreas da Freguesia de Santa Maria, São Pedro e Matacães. A sul confina com o concelho de Mafra onde se desenvolve a encosta Sul da Serra do Socorro.

Esta área destaca-se da envolvente em termos de relevo e é constituída pelas Serras do Socorro e da Archeira, Serra da Galharda e Serra do Monte Deixo.

A PPLSSA é criada ao abrigo do Decreto-lei nº 142/2008, de 24 de Julho. Pretende seguir as orientações da Convenção Europeia da Paisagem (CEP) que tem como principal objectivo promover a protecção, gestão e ordenamento da paisagem, fundamentadas em iniciativas de participação e envolvimento da população local. A PPLSSA rege-se por regulamento próprio e possui um código de conduta e boas práticas dos visitantes.

A PPLSSA constitui um local onde se verifica a presença de elementos com valor patrimonial em termos naturais, históricos, culturais e paisagísticos.

Desde o dia 06/03/2017 que a PPLSSA integra a Rede Nacional de Áreas Protegidas.

Paisagem Protegida Local das Serras do Socorro e Archeira foi galardoada com o QualityCoast Nature Award, atribuído pela EUCC – Coastal & Marine Union e integrou o Top 100 mundial de Destinos Sustentáveis.

Green destinations Top 100 sustainable destinations Quality Coast


Património cultural

Moinhos

O moinho de vento de torre fixa em alvenaria e tração por sarilho é o tipo de moinho mais característico da Região Oeste e a sua presença é frequente na PPLSSA.

O seu edifício, de forma cilíndrica, é uma construção robusta de pedra e cal, com uma base de cerca de cinco metros e meio de diâmetro e quatro metros e meio de altura. O topo é coberto por uma estrutura de madeira com tábuas, serapilheira ou lona, revestida a alcatrão - o capelo. No seu interior podemos observar o sarilho, mecanismo que permite rodar a copa do moinho e o mastro conforme a orientação do vento. O mastro é composto por oito velas de pano e cerca de doze a quinze búzios.

Ermida de Nossa Senhora do Socorro

No topo da Serra do Socorro, erigiu-se, em inícios do séc. XVI a Ermida de Nossa Senhora do Socorro conservando-se ainda elementos arquitetónicos manuelinos, nomeadamente o alpendre, a abóbada da nave e o portal lateral Sul. O templo foi objeto de restauro, em meados do séc. XVIII e na segunda década do século seguinte. Nesta intervenção, encerrou-se o primitivo alpendre, limitando-se o acesso à capela por um novo arco triunfal.

Dada a sua elevação, foi um dos locais escolhidos para a implantação de um telégrafo durante a Guerra Peninsular, em 1810, permitindo a comunicação entre os postos da 1.ª e 2.ª Linhas.

Este local é palco de uma importante romaria em 5 de Agosto e é também um dos miradouros naturais com maior relevância na Região Oeste.

Centro Interpretativo da Paisagem Protegida Local das Serras do Socorro e Archeira

O Centro Interpretativo da Paisagem Protegida Local das Serras do Socorro e Archeira constitui um elemento de planeamento e apoio à gestão da paisagem protegida local, dinamizador de diversas atividades e pólo promocional de produtos locais. Este espaço é utilizado para divulgação daquele território.

Este equipamento situa-se na sede da Associação Cultural, Desportiva e Recreativa da Cadriceira, no Largo da Juventude, Cadriceira, freguesia do Turcifal.

Neste espaço é possível disfrutar de diversos valores gastronómicos (bolos, doces, biscoitos, bolachas, compotas, licores) acompanhadas de um bom vinho da região e apreciar algumas peças de artesanato.

Centro Interpretativo da Serra do Socorro

Inserido na Rota Histórica das Linhas de Torres, esta área expositiva foi inaugurada em Novembro de 2008, pelo Município de Mafra.

A exposição patente organiza-se em três núcleos: a História e Património da Serra do Socorro, as Comunicações Visuais na Guerra Peninsular e o Telégrafo da Serra do Socorro.

O Centro Interpretativo encontra-se instalado na área anexa à ermida de Nossa Senhora do Socorro.

Fortificações das Linhas de Torres Vedras

Forte da Archeira localizado num local estratégico do sistema defensivo das Linhas de Torres (obra militar n.º 128) é uma estrutura de grande dimensão, pertencia à Primeira Linha Defensiva, a par com os fortes de Catefica e Feiteira, localizados um pouco mais a norte, cujo objetivo seria a defesa dos vales de Ribaldeira e Runa. Apresenta um perímetro de 436,48m e uma área de cerca de 9.534,44m2, estava munido com 6 bocas-de-fogo (calibre 12) e uma guarnição de 500 homens. Apesar de não possuir canhoneiras, no seu interior existem vestígios do que aparenta ser um paiol semienterrado.

Forte da Feiteira de dimensão média (obra militar nº 129), apresenta um perímetro de 287,5m e uma área de cerca de 5.901m2, estava munido com 13 canhoeiras, 9 bocas-de-fogo (seis de calibre 9 e três de calibre 12) e uma guarnição de 350 homens. O fosso tem escarpa e contra escarpa em alvenaria e os travezes interiores bem definidos, com cama em alvenaria.

O Forte de Catefica está integrado na Primeira Linha de Defesa e está localizado a norte dos Fortes da Feiteira e Archeira. Obra militar n.º 130, é uma estrutura de pequena dimensão, constituída por 15 canhoneiras e travezes, tendo no seu interior um moinho, que provavelmente terá sido utilizado como paiol.

Gastronomia

Tradicionalmente apreciada pela excelente qualidade dos seus produtos a gastronomia da região Oeste é rica e diversificada.

Dos pratos tradicionais, destacamos: o cabrito à Serra do Socorro, o arroz de peito e sarrabulho. 

A refeição acompanha-se com um bom vinho da região e o tradicional pão caseiro, cozido em fornos de lenha e completa-se com uma sobremesa: os típicos Pastéis de Feijão de Torres Vedras. 


Património natural

Biodiversidade

Flora: estruturas vegetais com cercais e matagais, mosaico agrícola e florestal, estruturas ripícolas em diversos estádios de equilíbrio ao longo das linhas de água, onde espécies como orquídeas ocorrem com frequência. 

Espécies com estatuto de proteção legal: Arabis sadina, Iberis procumbens, Lírio-amarelo, Maios-do-campo, Junco, Narciso, Campainhas-amarelas, Salgueiro-branco, Borrazeira-branca, Silene longicilia, Azevinho-menor, Gilbardeira, Erva-dos-vasculhos, Erva-azeitoneira, Tomilho-peludo, Tojo-da-chouveca e Tojo-gatunho.

Plantas com elevado valor patrimonial: Carrasco-da-arrábida, Carrasco-arbóreo, Carrasqueira, Arabis lusitanica boiss, Rosa-albardeira, Orquídea, Bocas-de-lobo, Erva-bezerra, Papões, Ulex airensis, Tojo-durázio, Falso-açafrão, Orégão-maior, Avena, Tomilho, Abrunheiro e Ameixeira-brava.

Fauna

  • Aves: Cartaxo, Cuco, Estorninho preto, Melro, Pintassilgo, Trigueirão e Peneireiro - vulgar;
  • Mamíferos: entre os quais a Geneta, Texugo, Raposa, Coelho bravo, Fuinha, Ouriço-cacheiro, Saca-rabos e Toirão;
  • Borboletas: Papilio machaon, Iphiclides feisthamelli, Zerynthia rumina, Thymelicus sylvestris, Pieris brassicae, Pieris rapae e Colias croceus.

Paleontologia

Tronco Fóssil de Araucária

Na povoação da Cadriceira localiza-se um tronco fóssil de Araucária, correspondente ao Jurássico Superior Português, dado como um dos troncos de maior dimensão desta espécie quando descoberto em 1908. Trata-se de uma porção de tronco de uma Araucária, silicificada, com 20 metros de comprimento e 1,30 de diâmetro, segundo as descrições publicadas.

A presença deste fóssil é considerada de grande valor em termos científicos, didáticos e museológicos.

Até aos finais da década de 80 ou inícios da década de 90 do século XX, o tronco fóssil esteve a descoberto, tendo sido alvo de frequentes actos de vandalismo e de colecionismo/ curiosidade, e ao qual foram retirados pedaços.

Atualmente, o tronco fóssil encontra-se coberto de terra e aguarda musealização in situ.

Fósseis do Cretácico Superior: evidências de antigos mares

Na Serra da Archeira encontram-se expostos sedimentos pertencentes ao Cretácico Superior, onde se registam vários grupos de fósseis de invertebrados, em particular moluscos cefalópodes, bivalves e gastrópodes, que demonstram uma clara influência marinha, correspondendo a momentos de avanço do mar sobre o continente.


Lazer

Birdwacthing

O projeto Torres Vedras Birdwatching - Um olhar sobre as aves tem como objetivo promover o Turismo de Natureza, nomeadamente a observação de aves.

Na APPSSA existem 2 pontos de observação de aves situados na Serra do Socorro e 1 nas imediações da referida área, situado próximo da Quinta do Manjapão.

A partir dos observatórios pode-se avistar e fotografar uma grande variedade de aves, devendo-se respeitar as normas de conduta para esta prática.

Ecoparque da Serra da Archeira

O Ecoparque da Serra da Archeira, com uma área aproximada de 5 ha, tem como objectivo valorizar a identidade fortemente rural do concelho, compatibilizando a ocupação agrícola e florestal do solo com a função lúdica e recreativa. Este espaço, com características de fruição e contemplação da natureza, permite desfrutar de vistas privilegiadas sobre a paisagem envolvente.

A execução do projeto do Ecoparque da Serra da Archeira está a decorrer de forma faseada desde 2012.

Grande Rota das Linhas de Torres Vedras

âmbito da Rota Histórica das Linhas de Torres, que abrange o território dos seis municípios que formam a Plataforma Intermunicipal das Linhas de Torres (PILT). Esta rota atravessa a PPLSSA, sendo possível visitar os Fortes da Archeira, Feiteira e Catefica.

O troço concelhio de Torres Vedras da Grande Rota das Linhas de Torres, tem uma extensão de 112km, é formado por 2 troços circulares e permite aos caminheiros conhecer as principais edificações das Linhas de Torres, bem como os recursos naturais, culturais e patrimoniais do Concelho.

Rota dos Encantos

A Rota dos Encantos é um percurso pedestre circular com 22 km e inicia-se junto da Igreja Matriz do Turcifal.

Esta rota permite aos caminheiros percorrer trilhos e caminhos numa fusão entre a natureza e a história do território. Oferece uma paisagem deslumbrante e permite sentir a natureza, os cheiros e os sons do território. 

Eco-caminho da Serra do Socorro

O Eco-Caminho faz a ligação entre o Turcifal e o alto da Serra do Socorro, com um total de aproximadamente 5,7km. O Eco-Caminho passa em diversos pontos de interesse como     a Quinta do Manjapão, o empreendimento Campo Real, Capela de Santo António na Cadriceira e a Ermida de Nossa Senhora do Socorro. Neste percurso existem 3 observatórios de aves.

  • Trilho GPS do Eco-caminho (KML | GPX)

Rota da Serra da Archeira Rota da Serra do Socorro

As Rotas da Serra da Archeira e da Serra do Socorro são percursos pedestres circulares em plena PPLSSA, que permitem aos pedestrianistas olhar a paisagem e conhecer os recursos naturais, culturais e patrimoniais desta área.    O grau de dificuldade é médio e tem um extensão aproximada de 10km e 11km, respetivamente.

  • Trilho GPS da rota da Serra da Archeira (KML | GPX)
  • Trilho GPS da rota da Serra do Socorro (KML | GPX)

Ecotrilhos

O concelho de Torres Vedras oferece condições privilegiadas para a prática do turismo de natureza em bicicleta, seja em B.T.T. ou em simples passeio turístico. Este território de características tradicionalmente rurais possui percursos com envolventes de elevada beleza natural e paisagística, óptimos para pedalar com os amigos e com a família.

O concelho dispõe de 3 ecotrilhos que permitem percorrer em bicicleta os melhores pontos de interesse junto ao mar, ao campo e na serra. O ecotrilho 1 liga Torres Vedras à PPLSSA, num percurso circular de  40Km, com uma altitude acumulada de 1000m e oferece vistas 360º sobre todo o património natural do concelho e atividades ligadas ao mundo rural.

Pista de Downhill

A pista Downhill (descida de percursos muito inclinados em bicicleta) tem inicio no topo da Serra do Socorro, percorre uma extensa área de eucaliptal e termina no sopé da Serra. Esta pista apresenta declives acentuados e um grau de dificuldade considerável, tem sido alvo de várias provas nacionais e é utilizada frequentemente como pista de treino.


Marca Natural.PT

A Natural.PT é uma marca dinamizada pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e consiste numa iniciativa de promoção integrada do território, dos produtos e dos serviços existentes nas áreas protegidas e na sua envolvente próxima, assegurando a conservação dos valores naturais e socioculturais e a valorização das atividades e saberes tradicionais e autênticos de Portugal, projetando-se ao nível nacional e internacional.

Podem aderir gratuitamente todas as entidades, públicas e privadas, que se localizem no território da PPLSSA ou no concelho, que estejam devidamente licenciadas e desenvolvam a sua atividade relacionada com as tipologias identificadas (atividades de animação turística, alojamento, restauração, espaços de venda de produtos, produtos agroalimentares, produtos artesanais não alimentares, produtos identitários imateriais, projetos de investigação, materiais com conteúdos didático-pedagógicos e projetos da administração local) e que se comprometam com os valores da Natural.PT cumprindo as condições/requisitos de adesão estabelecidos.

Mais informações sobre a Natural.PT podem ser consultadas em: www.natural.pt.


Mapa da PPLSSA

Mapa da APPSA


Contactos

areaprotegida@cm-tvedras.pt
912 574 317
www.facebook.com/ppl.serrasdosocorroearcheira 


Revista da Paisagem Protegida Local das Serras do Socorro e Archeira