Torres Vedras

Perdigueiro Português

02.01.2017

Perdigueiro Português
  • Autoria: Augusto Cid (1941- )
  • Localização: Parque do Choupal, Torres Vedras
  • Data de inauguração: 11 de novembro de 2016

No dia 11 de novembro de 2016, feriado municipal de Torres Vedras, foi inaugurada a estátua de homenagem ao Perdigueiro Português, uma oferta do Criador Canil de Torres (Américo Rodrigues e Jorge Rodrigues) à cidade.
A obra da autoria do Mestre Augusto Cid visa perpetuar, no bronze e em local condigno, essa milenar joia viva do património genético, histórico e sociocultural torriense.
Com efeito, há mais de 30 anos que o Criador Canil de Torres preserva, seleciona e divulga a raça, genuinamente nacional e uma das mais antigas do mundo, constituindo uma das referências na criação de Perdigueiros.
Jorge Rodrigues cumpriu o sonho de oferecer à Cidade de Torres Vedras uma representação ao pormenor do Perdigueiro Português, dado que é fascinado pelo equilíbrio entre a morfologia, o caráter e a funcionalidade da raça.
O autor da escultura, Mestre Augusto Cid, aceitou o desafio que lhe foi proposto pelo Criador Canil de Torres Vedras e deu corpo a uma obra que constitui uma homenagem a todos os animais vítimas da maldade humana.

Perdigueiro Português

Augusto Cid
Augusto José Sobral Cid é natural de Faial (Horta), Açores (1941).
Efetuou estudos do ensino secundário nos colégios Infante Sagres, Colégio Moderno e em Laguna High School, Laguna Beach, Estados Unidos da América.
Frequentou o curso de Escultura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa.
Dedicou-se á publicação de cartoons em vários jornais, revistas e órgãos de comunicação nacionais entre os quais" A Parada da Parodia"; "A Mosca"; "Diário de Lisboa"; "Lorentis"; "Observador"; "O Século"; "Vida Mundial"; "O Jornal Novo"; "A Tarde"; "O Dia"; "O Diabo"; "Semanário"; "O Independente"; "Fócus"; "Grande Reportagem" e "TV".

Livros publicados
“Que se passa na frente”; “PREC I”; “PREC II”; “O superman”; “Eanito el Estático”; “O último Trazan”; “O fim do PREC”; “Demito-me uma Ova”; “Bicas e Bocas”; “Camarate”; “Camarate: Como, Porquê e Quem”; “Agarra Mas Não Abuses”; “Alto Cão Traste”; “ O Produto Interno Brito”; “Cão Traste”; “Seguros Cartoon Book”; “Desculpe o Mau Jeito”; “Soares é Fixe”; “Cartoons do Ano 1999”, (com António, Maia e Vasco); “25 dos 4”, (com António, Maia e Vasco); “ Cartoons do Ano 2002”, (com António, Maia e Vasco); “ Cartoons do Ano de 2004”, (com António, Maia e Vasco); ”Augusto Cid, o Cavaleiro do Cartoon”; “O Fenómeno”, com António para Assírio & Alvim; “Cid” de João Paulo Cotrim.
Participou em várias exposições individuais e coletivas.

Prémios
1987 – “1º Prémio de Desenho Humorístico”, do Salão Nacional de Caricatura;
1988 – “Grande Prémio do I Salão Livre”;
1989 – “Prémio C.P.P.M. – Humor e Património”;
1994 – “Grande Premio do Salão de Caricatura”;
1996 – “Prémio Nacional de Humor de Imprensa;
2004 – Menção Honrosa “Prémio Stuart”;
2008 – “Grande Prémio”, Porto Cartoon World Festival.

Esculturas
Como escultor executou vários troféus para a Associação do Cavalo Lusitano e tem esculturas na praça pública, nomeadamente:
1995 – Escultura “Gonçalves Zarco”, na Avenida Gonçalves Zarco, no Restelo em            Lisboa;
1997 – Escultura urbana do Aeroporto de Macau, em Macau;
2001 – Escultura alusiva às vítimas do atentado do 11 de Setembro na Av. Estados Unidos da América;
2001 – Painéis de azulejos, para o Viaduto de Sete Rios;
2002 – Escultura “Cauda da Baleia”, para a Câmara Municipal de Oeiras;
2003 – Escultura “Gonçalves Zarco”, Funchal, na Madeira;
2005 – Escultura “Imperador Carlos I das Áustria”, Funchal, na Madeira;
2008 – Escultura “Três Cavalos”, para a Camara Municipal de Oeiras;
2009 – Escultura Infante D. Henrique, para Vila do Bispo em Sagres;
2009 – Escultura D. Diogo de Menezes, para Cascais;
2011 – Quatro esculturas em alabastro, para o Mercado Municipal de Setúbal;
2012 – Vinte réplicas da Estatua de D. José I, para Câmara Municipal de Lisboa;
2016 – Escultura de Santo Condestável, D. Nuno Álvares Pereira, Lisboa.