Torres Vedras

Município comemorou Mês da Ciência

07.12.2017

Desde que, em 1997, foi criado o Dia Nacional da Cultura Científica, a 24 de novembro, este mês tem sido palco de numerosas iniciativas tendentes a aproximar a ciência dos cidadãos.

Também em Torres Vedras o mês de novembro incluiu diversas atividades de promoção e divulgação da cultura científica, dirigidas, fundamentalmente ao público escolar, além das que são oferecidas pelo serviço educativo "Quero ser Cientista", coordenado pela Câmara Municipal ao longo de todo o ano letivo, com vista à promoção da aprendizagem em contexto experimental e à melhoria da literacia científica das crianças e jovens.

Várias foram as iniciativas promovidas pela Câmara Municipal no âmbito do Mês da Ciência, desde a divulgação do que melhor se faz no concelho na área de investigação científica até à dinamização de oficinas, workshops e tertúlias abordando vários temas de interesse científico.

No seguimento do ano anterior, voltou-se a realizar a iniciativa Ciência, o que se faz por cá?. Esta iniciativa tem como objetivo visitar instituições sediadas no concelho, envolvidas em projetos de investigação científica ou que aplicam técnicas científicas com interesse para a comunidade escolar. Instituições de diversas áreas, desde as de investigação na área da Indústria farmacêutica à paleontologia, passando pelas de investigação nas áreas dos vinhos, biotecnologia aplicada, produção de drones e doenças do foro neurológico, que abriram as suas portas e partilharam conhecimento científico com a comunidade escolar. Esta iniciativa contou com 358 participantes do 9.º ao 12.º ano de escolaridade, tendo sido efetuadas visitas às seguintes instituições: Biotask (biotecnologia aplicada, sediada no Paul); Tecnimede (indústria farmacêutica, sediada na Caixaria); Sociedade de História Natural (arqueologia e paleontologia, sediada no Ameal); Uavision (produção de drones, sediada no Bonabal); Campus Neurológico Sénior (doenças do foro neurológico, sediada em Torres Vedras); INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (área vitivinícola e enologia, sediada em Dois Portos); e Águas do Vimeiro (com demonstração de algumas técnicas laboratoriais envolvidas no controlo de qualidade da água, sediada na Maceira).

Também integrado no Mês da Ciência, a associação Lababerto, sediada no LabCenter, em Torres Vedras, organizou a Semana da Ciência e Tecnologia, a qual contou com um vasto leque de atividades que decorreram de 22 a 25 de novembro, tendo na mesma sido contabilizados 306 participantes. Esta iniciativa deu a conhecer vários projetos em curso no Lababerto, com possibilidade de os participantes experimentarem parte deste processo. Foram na ocasião efetuadas divulgações de projetos externos tal como o Plastic sun days, com a demonstração da transformação de plástico usado (copos de loiça descartável) em filamentos para impressora 3D. Foram também nesta Semana realizadas duas tertúlias subordinadas às temáticas: “Inteligência artificial: o meu advogado vai ser um computador?” (com Rui Pires, da We Brain SA); e “Porque envelhecemos?” (com Miguel Ferreira, do IGC).

Igualmente no âmbito do Mês da Ciência, 178 alunos do ensino pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico entraram num planetário insuflável e embarcaram numa “viagem pelo céu noturno” guiada pelo Centro de Ciência Viva de Constância, que se deslocou a Torres Vedras. Noções sobre a formação e constituição do sistema solar foram abordadas nesta atividade, tal como a identificação das várias constelações visíveis no céu noturno. Como atividade complementar, as crianças fizeram observações a partir de binóculos e telescópios para assim perceber as principais diferenças entre ambos.

O Instituto Politécnico de Leiria associou-se também ao Mês da Ciência, proporcionando um workshop de Gastronomia Molecular às turmas do 12.º ano de escolaridade do curso profissional de cozinha do Externato de Penafirme e da Escola de Serviços e Comércio do Oeste, o qual teve como principal objetivo dar a conhecer novas técnicas para aplicação na confeção de alimentos. Os alunos participantes nesta atividade aprenderam a confecionar esparguete de agar-agar e "caviar" de alginato.

O vinho foi também abordado no Mês da Ciência com a tertúlia "Vinho com Ciência", a qual permitiu a divulgação do conhecimento científico relacionado com os aromas, castas de vinhos e a investigação científica que se faz neste momento nesta área. Mais de 50 pessoas dirigiram-se ao LabCenter para participar nesta tertúlia que contou com o contributo de Margarida Fortes (da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) e de Eiras Dias (do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária de Dois Portos). Esta ação foi enriquecida com uma sessão de demonstração de prova organolética conduzida por Luís Tiago Carvalho (da Escola Agrícola Fernando Barros Leal).

Estando a Ciência em constante evolução, o futuro dependerá cada da vez mais dos avanços científicos e tecnológicos. Por vezes os avanços da ciência podem ultrapassar, para alguns, limites pessoais e morais. Para falar sobre "Viver a ciência e tecnologia nos dias de hoje, um desafio?", Torres Vedras teve a honra de receber Alexandre Quintanilha, investigador e presidente da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, que dinamizou uma tertúlia sobre os desafios da ciência nos dias de hoje, deixando um incentivo para a reflexão sobre os desafios de viver com a ciência no futuro.

Outras iniciativas contribuíram para a divulgação da ciência no âmbito do evento Mês da Ciência, como o workshop "A importância ornitológica da foz do Sizandro", dinamizado pelo ornitólogo Helder Cardoso, organizado pelo Centro de Educação Ambiental, e a ação de formação "Leitura em dispositivos móveis na biblioteca", organizada pela Biblioteca Municipal.

Nas atividades do Mês da Ciência contabilizaram-se mais de mil participações.