Torres Vedras

Histórias de Vida celebradas por meio da intergeracionalidade

28.05.2019

Um encontro de gerações aconteceu este sábado, dia 25 de maio, no Torres Vedras LabCenter, com a Festa das Histórias de Vida.

Memórias recolhidas junto de seniores do núcleo dos Campelos e Outeiro da Cabeça do projeto municipal "Clube Sénior" deram origem a trabalhos apresentados por alunos de vários níveis de ensino.

Esta recolha de memórias integrou-se no projeto "No coração da minha infância", o qual nasce da necessidade de ouvir o que os seniores guardam do tempo em que foram crianças, procurando trazer à tona vidas reais, abrindo-se uma viagem à raiz onde cada um se instala, registando os seus triunfos e fracassos, as suas imensidões e finitudes. No âmbito deste projeto as memórias recolhidas são transformadas num pequeno romance familiar e, ao fazer-se a sua contextualização no tempo e no espaço, os seniores envolvidos compreendem os seus percursos como síntese de múltiplas  determinações, interações e ações, partindo para o futuro conscientes de que "se o passado não muda nós podemos sempre  mudar a forma como ele age sobre nós".

Assim, na Festa das Histórias de Vida deste ano – uma iniciativa da Fábrica das Histórias e do "Clube Sénior" - , sob orientação da professora Odília Piteira, alunos do 2.º ciclo do ensino básico da Escola Básica Integrada Padre Francisco Soares trabalharam em leitura coral excertos dos textos produzidos, o que foi apresentado neste evento. A eles se juntaram também alunos de Educação Musical da mesma escola sob orientação dos professores Cristina Martins e Pedro Carimbo, bem como alunos da Escola de Música Luís António Maldonado Rodrigues que atuaram sob orientação da professora Svetelana Dulseac.

Também jovens do ensino secundário participaram nesta atividade, mais concretamente de uma turma de alunos a frequentarem o ensino artístico na Escola Secundária Henriques Nogueira, que, sob orientação da professora Rosário Lucas apresentaram, em forma de narrativas visuais, a sua interpretação das memórias recolhidas.

Envolvendo muita gente, repousando num trabalho imenso de recolha, a Festa das Histórias de Vida prova que é importante dar voz a todos os que formam a nossa comunidade pois é das suas pequenas histórias que se faz a História de um lugar, de uma nação, enfim, da nossa Humanidade.

Esta ideia foi referida no evento pela responsável da Fábrica das Histórias - Casa Jaime Umbelino, Ana Meireles, e corroborada pela vereadora da Área do Desenvolvimento Social da Câmara Municipal, que frisou precisamente o facto da importância da recolha de histórias “de pessoas vulgares mas nada invulgares”, o que um dia será valorizado pelas gerações mais novas e terá impacto no futuro do Concelho. Ana Umbelino sublinhou também na sua intervenção a importância do convívio intergeracional para a desconstrução de estereótipos relacionados com a desvalorização dos mais idosos, o que não acontece em outras culturas, sendo por isso necessário fortalecer vínculos afetivos e laços entre as gerações, e mesmo “resgatar o sentido do coração”.

Esta Festa das Histórias de Vida terminou com a inauguração das exposições “Livro de Retalhos” - que é constituída precisamente pelos referidos trabalhos apresentados nesta atividade por alunos do ensino secundário - e “Tudo e mais alguma coisa” - que congrega trabalhos resultantes de vários projetos levados a cabo pela Fábrica das Histórias durante o corrente ano letivo.

 


voltar ao topo ↑