Torres Vedras

Agenda

Corpo-Mapa-Livro

Até 27 de abril | 16h30 às 17h15

Teatro infantojuvenil Corpo-Mapa-Livro

Evento já ocorrido

Local: Biblioteca Municipal de Torres Vedras
Destinatários: M/6

CORPO-MAPA-LIVRO é uma peça que desarruma a biblioteca. Parte do livro, enquanto objeto específico e como indutor de experiências transformadoras do corpo. Propõe uma multiplicação de vivências plásticas, que levam à descoberta de novos espaços e sentidos. Um jogo poético de entradas e saídas, que nos levam numa viagem onde se revelam novos mapas.

Abre-se uma dimensão do livro, enquanto mapa e lugar da viagem corporal, e uma dimensão do corpo, enquanto inscrição de um processo traduzível em livros.

Um espetáculo de dança-teatro para um público que já lê e que dá conta de si mesmo enquanto leitor dinâmico e em crescimento. 

 

Ficha Artística
Ideia original:
Joana Pupo, Marina Nabais
Direção artística e coreografia: Marina Nabais
Dramaturgia, voz, interpretação, cenografia e adereços: Joana Pupo e Marina Nabais
Texto: Joana Pupo e Marina Nabais; excertos de textos de Álvaro de Campos e Alberto Caeiro
Figurinos: Nuno Nogueira
Música Original: Gonçalo Alegria; Sarabande (Cello, Suite N.º3), Joahnn Sebastian Bach, interpretado por Gaspar Cassado, gravação de 1957; Khovanshchina: Dance of Persian Slaves, Modest Mussorgsky, interpretado por Boris Khaykin, Mariinsky Orchestra e Coro, gravação de 1946
Fotografia e vídeo: Patrícia Gomes
Produção executiva: Sara Santana
Produção: Marina Nabais Dança, Associação Cultural
Coprodução: Câmara Municipal de Monção

Info e inscrições: 261 320 747/261 310 460 bmtv.servico.educativo@cm-tvedras.pt 


Atividade Gratuita


Biblioteca Municipal de Torres Vedras

2ª: 14h00 às 18h30
3.ª a 6.ª: 10h00 às 18h30
Sáb.: 14h00 às 18h00

Largo Justino Freire Nº 9
2560-636 Torres Vedras

261310460
biblioteca@cm-tvedras.pt
Localização Google Maps


O Projeto “Torres Vedras – Cidade dos Livros”, como o próprio nome indica, visa levar pelo entusiasmo os cidadãos do nosso Concelho a participarem numa festa ligada à literatura, abrindo  caminho através dos livros, como também através de outras formas de expressão artística que lhe estão ligadas por relações de parentesco, como o teatro, a música, a performance, o cinema de animação, a ilustração… para trabalhar a  pedagogia do imaginário.

Procura ainda, de forma clara, demonstrar que os livros e as leituras não se confinam a escolas e bibliotecas, o que seria absurdamente redutor, abrindo-se por isso mesmo a novas parcerias com outros espaços culturais.

Tal como há muito o livro deixou de ter um formato durante séculos valorizado, e se abriu a todos os tamanhos e feitios, a Fábrica das Histórias-Casa Jaime Umbelino acredita que se lhe impõe abrir-se aos livros e à sua leitura, pondo em movimento projetos que não quer ver confinados a um mês, o de abril, fazendo deles um  movimento contínuo de todos os dias e de toda a sua programação.

voltar ao topo ↑