Torres Vedras

Agenda

Orquesta Sinfónica Del Principado de Asturias

24 de outubro de 2019 | quinta | 21h00

Música TEMPORADA DARCOS 2019

Local: Oviedo, Espanha

A Península Ibérica possui uma riqueza cultural única, resultado do cruzamento de identidades das regiões que lhe deram origem e dos países que a constituem.

António Rosado, um dos maiores pianistas portugueses da atualidade, será o protagonista deste concerto, que reúne Elegia de Nuno Côrte-Real, o icónico bailado de Manuel de Falla Sombrero de Tres Picos e a virtuosa Rapsodia Portuguesa para piano e orquestra de Ernesto Halffter, compositor que estudou com Falla e se estabeleceu em Portugal durante a Guerra Civil Espanhola.

Com outras origens geográficas mas também de inspiração popular ou nacionalista, o marcante bailado burlesco Pétrouchka de Stravinsky, estreado pelos Ballets Russes de Diaghilev, com Nijinsky no papel principal, ocupa a segunda parte do programa.



N. Côrte-Real (1971)
Elegia para piano e orquestra

 

M. Falla (1876 – 1946)
Suite nº 1 do bailado em dois actos El sombrero de Tres Picos

I. Introduction
II. Mediodía
III. Danza de la molinera
IV. El Corregidor
V. Las uvas

 

E. Halffter (1905 – 1989)
Rapsodia Portuguesa
-in memoriam M. Ravel, para piano e orquestra

I. Ampio a sostenuto
II. Allegretto vivace
III. Andante
IV. Allegretto vivace
V. Vivo con allegrezza
VI. Andantino
VII. Allegro brioso

 

pausa



I. Stravinsky (1882 – 1971)
Pétrouchka - bailado em quatro quadros (versão 1947)

 

 

Piano: António Rosado
Direção musical: Nuno Côrte-Real
ORQUESTA SINFÓNICA DEL PRINCIPADO DE ASTURIAS

 


Atividade Gratuita


Integrado em TEMPORADA DARCOS 2019. Outras datas:

"Da música podíamos dizer o que Santo Agostinho dizia do tempo: «Se ninguém me perguntar, sei o que é; se me pedem para explicar, deixo de saber». Não sabemos explicar o que é a música, mas sabemos que ela nos atrai, nos fascina, nos encanta. Podíamos viver sem ela, mas a vida seria infinitamente mais pobre. A música é uma ilha encantada no tempo prosaico do quotidiano. Num mundo que aos nossos olhos se afigura confuso, estilhaçado, caótico, hostil, excessivo, a música permanece como uma inesgotável fonte de encantamento, e um símbolo da capacidade inventiva do homem: o Canto de Orfeu continua a despertar paixões e fúrias pelos cinco continentes. Enquanto artistas, seres de consciência estética e moral, desejaríamos poder transformar esse encantamento num benefício, num instrumento de união da diversidade e aceitação da diferença. E ainda que as infernais forças históricas se empenhem em negá-lo, na ilha encantada das musas o lema de que «todos os homens serão irmãos» permanece uma utopia válida, pela qual vale pena sonhar. Orfeu amansava as feras, apaziguava a natureza animal e vegetal e chegou mesmo a enternecer as forças infernais. É o seu poder que a música celebra, é a sua maravilhosa mensagem que a música amplifica e propaga pelos séculos. Sem a música não conheceríamos todas as variedades da dor humana, nem as infinitas qualidades do seu amor. Para nós, à imagem de Orfeu, cada concerto deve ser uma celebração da existência e do amor, um rito purificação da nossa vida material, emocional e espiritual. Ainda que pertença ao reino do artificio e da fantasia, a música tem essa capacidade de se infundir no real, irrigá-lo com a sua beleza e torná-lo mais suportável. Os criadores, os músicos e o público participam os três nessa operação mágica da comunicação humana a que chamamos concerto. É esta a premissa da Temporada Darcos. É este o nosso modesto, mas precioso, contributo para a riqueza e diversidade de vida musical europeia. Uma temporada internacional, que inclui a participação de três orquestras estrangeiras, destacados solistas portugueses, assim como o lançamento de três discos do Ensemble Darcos, grupo de inequívoca qualidade, que é já uma referência no panorama nacional. Obrigado, Gael Rassaert, Paula Carneiro, Reyes Gallardo, Filipe Quaresma, Pedro Wallenstein, Helder Marques e todos os restantes convidados desta temporada de 2019; sois como Orfeus modernos neste estranho mundo em que vivemos. Que a música que fizermos possa ecoar, exaltante!!"

Nuno Côrte-Real,
Diretor Artístico


Organização
Câmara Municipal de Torres Vedras | Teatro-Cine de Torres Vedras | Temporada Darcos

Estrutura financiada por
Ministério da Cultura | DGArtes

Apoio Institucional
Câmara Municipal de Lisboa | Governo de Espanha - Ministério da Cultura e Desporto | Mostra Espanha 2019 

Parceiros
CCB | Culturgest

Apoio à Divulgação
Antena 2 | Turismo de Lisboa | Turismo Centro Portugal 

Hotel Oficial
Hotel Golf Mar 

Apoio
Oeste Portugal | Academia de Música de Óbidos | Escola de Música Luís António Maldonado Rodrigues | 
Associação de Educação Física e Desportiva | Estufa - Plataforma Cultural | GDA | SPA


TEMPORADA DARCOS 2019
Direção artística: Nuno Côrte-Real
Consultor: Afonso Miranda
Textos: Susana Duarte

Produção Executiva: Marta Vicente
Assistente de Produção: Ricardo Ventura
Coordenação de Projetos: Manuel Lima
Relações Públicas e Assessoria de Imprensa: Débora Pereira
Comunicação e Imagem: Câmara Municipal de Torres Vedras

voltar ao topo ↑