Torres Vedras

Agenda

Comemoração das Jornadas Europeias do Património

Caminhada

24 de setembro de 2017 | domingo | 09h00 às 12h30

Atividade física

Local: Concentração: Museu Municipal Leonel Trindade

Com esta caminhada pretende-se dar a conhecer o valor paisagístico e patrimonial ligado direta e indiretamente ao vale do rio Sizandro. Nunca nos afastando muito do centro da cidade, revisitamos outros tempos, começando nas Termas da Fonte Nova e a própria Fonte Nova, locais de passeio para os torrienses na primeira metade do século XX, marcando o fim do espaço habitado e o início dos campos agrícolas que se estendiam pelo planalto sudeste, em direção da Quinta de Santo António, numa estreita relação com os moinhos de vento, o do Aleixo e o do Gaio, o qual teremos oportunidade de visitar e ficar a conhecer o trabalho de reconstrução.

Desde o seu alto, contemplando a paisagem envolvente, perceberemos a importância da preservação deste tipo de estruturas como forma de identidade da região e dos seus habitantes.

Descendo então para o vale do rio Sizandro, aparecerá diante de nós a linha do caminho de ferro, ligação vital de finais do século XIX, feito da engenharia do seu tempo, com a construção de pontes e túneis que, encurtando distâncias, trouxeram novidades e visitantes. O Apeadeiro da Macheia é apenas um exemplo das novas possibilidades abertas ao escoamento de produtos agrícolas da região.

Esta não é uma paisagem protegida, mas bem o deveria ser, a sua beleza e valor patrimonial, as suas potencialidades turísticas bem o merecem.

Movidas pela força da água, as Azenhas com os seus açudes, hoje ruínas testemunhas do passado, fornecem vislumbres de um paraíso idílico que nunca o foi. Trabalho duro sim, na chamada do Cabaço, conheceremos os mecanismos, apreciando a frescura das margens do rio e contemplando as arribas, onde se escondem, por entre a vegetação, grutas como a Cova da Raposa, abrigos pré-históricos, os primeiros vestígios da presença humana. Bem perto temos um Forno de Cal, sinal de outros tempos que teremos de revisitar a bem da sustentabilidade futura.

De um grandioso projeto contempla-se o que ficou, as Termas dos Cucos resistem à passagem do tempo, até quando? Das virtudes das suas águas muito se escreveu e, desde o tempo dos romanos, sabemos da sua utilização, entretanto sobreveio o abandono, amanhã talvez a recuperação.

De regresso à cidade, que já se vislumbra ao longe, continuamos a acompanhar as margens do rio, onde nos deteremos brevemente, defronte da Quinta das Fontaínhas, ponto de visita da realeza. Bem perto, a Fonte dos Coxos, é um ramal das águas dos Cucos, fonte inesgotável que corre mesmo no pino do verão, sendo igualmente apreciada pelas suas qualidades.

Assim refrescados entramos na urbe, um Aqueduto, de presença majestosa, diz-nos como era feito parte do abastecimento de água no fim da idade média. Logo a seguir o IVV, marco de uma região predominantemente vitivinícola e um pouco mais à frente a estação de caminho de ferro aponta-nos a direção de um ex-libris – o Chafariz dos Canos – joia do gótico português, monumento de singular beleza, porta de entrada na vila, como o testemunham os vestígios da muralha medieval.

Continuando pela Idade Média, passagem pela igreja de S. Pedro, outro monumento nacional, espetador silencioso de inúmeras feiras e mercados que decorriam ao seu redor, do trânsito de uma estrada nacional que passava à sua beira, de conversas dos operários que se reuniam na sua frente, um símbolo a preservar.

Vencida uma derradeira subida, rua 9 de abril, podemos entrever por entre o arvoredo a fachada do Convento de Nossa Senhora da Graça, conjunto imponente, mas parcialmente escondido, clama por atenção. Eis-nos de volta aos seus claustros, recuperamos o fôlego apreciando o belo conjunto de azulejos que nos rodeia e despedimo-nos tendo a certeza de uma manhã bem passada.

Organização:
Câmara Municipal de Torres Vedras [Museu Municipal Leonel Trindade]
Fórum de Associações de Torres Vedras
Académico de Torres Vedras
Associação para a Defesa e Divulgação do Património de Torres Vedras
Espeleo Clube de Torres Vedras

Inscrições: tlf.: 261 310 484 ou museu.servico.educativo@cm-tvedras.pt
Distância:
8,7 km
Dificuldade: média
Percurso: Termas da Fonte Nova e Fonte Nova - Moinho do Aleixo - Quinta de Santo António- Moinho do Gaio - Caminho de Ferro - Apeadeiro da Macheia - Azenha da Boiaca - Cova da Raposa - Azenha do Cabaço e Forno de Cal - Termas dos Cucos - Quinta das Fontaínhas /Fonte dos Coxos - Aqueduto - Chafariz dos Canos/Muralhas - Museu Municipal.