Torres Vedras

Agenda

Oficina de Improvisação Barroca - ESGOTADO

Até 30 de outubro 2020 | 18h00 às 20h00

Música

Evento já ocorrido

Local: Igreja de Santiago, Torres Vedras

Uma atividade dedicada a todos os que tocam um instrumento musical ou que gostem de cantar, podem aqui ter contacto com algumas das práticas da ornamentação barroca aplicada a consagradas melodias da época, transpondo também esses modelos de improvisação típicos, para canções e/ou peças atuais.

Uma autêntica e divertida "tertúlia" direcionada para alunos de bandas, de escolas de música ou curiosos que toquem um instrumento.

Dinamizador: Daniel Oliveira

Daniel Oliveira

Natural de Alenquer, Daniel Oliveira é diplomado em Musicologia pela Universidade Nova de Lisboa, licenciado em Órgão e Cravo pela Escola Superior de Música de Lisboa sob orientação de João Vaz e Ana Mafalda de Castro respetivamente e mestre em Pedagogia pela mesma instituição.

Tem realizado inúmeros concertos em Portugal e no estrangeiro, sendo de destacar a temporada de Música de São Roque (Lisboa), Festival de Música de Mafra, Festival Internacional de Órgão de Faro, Festival Internacional de Órgão de Santarém, Festa da Música do Centro Cultural de Belém, Festival Internacional de Órgão de Cantábria (Espanha) e Festival Internacional de Música “Pórtico del Paraíso” (Galiza).

Apresenta-se regularmente como organista e cravista inserido em grupos de referência tais como o Quarteto “Tempus”, Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, Orquestra Sinfónica Juvenil, Coro do Instituto Gregoriano de Lisboa, Flores de Música e Capella Joanina.

Nos seus estudos de órgão e cravo, trabalhou e contactou com personalidades como Graham Barber, Luigi Ferdinando Tagliavini, J.L.Gonzalez Uriol, Javier Artigas, Kristian Olesen, Ketil Hausgand, Gerhard Doderer e Elisabeth Joié.

É professor de Órgão, Iniciação Musical, Baixo contínuo e Música de Câmara na Escola de Música Luís António Maldonado Rodrigues (Torres Vedras), Atelier de Órgão de Torres Vedras e Salesianos de Lisboa.

É membro do Trio Ars Eloquentae, dirige o agrupamento barroco Magnificat desde 2013 e detém a titularidade dos Órgãos Históricos da Igreja da Misericórdia em Torres Vedras e Igreja Matriz de Oeiras.

Participou na gravação de dois CD’s com os agrupamentos Capella Joanina e Flores de Música, com música sacra do compositor português Francisco António de Almeida.

Recentemente gravou um CD no órgão histórico da igreja da Misericórdia em Torres Vedras, dedicado à música portuguesa e italiana.


Atividade Gratuita


Integrado em III Festival de Música Antiga de Torres Vedras. Outras datas:

Pelo terceiro ano consecutivo, o Festival de Música Antiga de Torres Vedras apresenta-se novamente ao serviço da cultura e da comunidade torreense, dando a conhecer o importante património histórico do concelho.

Conscientes que vivemos tempos de grandes desafios, este festival é, sem duvida, um evento que traz energia positiva ao nosso quotidiano. Numa versão mais reduzida no que respeita ao número de concertos e atividades e respeitando todas as restrições e normas implementadas pela DGS, este festival sugere-nos, uma vez mais, uma autêntica viagem ao passado, numa deliciosa degustação de sonoridades, cores e texturas musicais, respeitando e revitalizando os espaços históricos onde se apresentam os concertos.

Torres Vedras, é dotada de um património impar, desde o litoral ao interior do concelho. Assim, nesta terceira edição, composta por três concertos e duas atividades pedagógicas, assistiremos a um compromisso e um diálogo bastante dinâmico entre o passado e o presente, dando a conhecer instrumentos tão distantes como a viola da gamba, o cravo ou a harpa ibérica.

Numa prática historicamente informada, todos os concertos serão comentados e contextualizados. Música de prestigiados compositores do barroco e do renascimento como J.S.Bach, Telemann, Purcell, John Dowland ou Sebastián Durón, assim como a de vários compositores ibéricos, vai fazer-se ecoar em alguns dos espaços históricos mais emblemáticos do concelho.

Respeitando a lotação permitida em cada espaço, será necessária a reserva de lugar e, por que este é um festival de "todos e par todos", os eventos serão transmitidos online.

Revitalizando património, divulgando práticas, instrumentos e compositores, que este seja um festival de convergências e um contributo para uma sociedade mais sensível, mais positiva e mais dinâmica. 

Daniel Oliveira, Diretor artístico



Última atualização: 30.10.2020 - 09:36 horas
voltar ao topo ↑