Torres Vedras

Agenda

Um passeio com tradição

Até 15 de setembro

Exposição Um passeio com tradição

Evento já ocorrido

Local: Rua José Pedro Lopes, Santa Cruz

Esta atividade integra o programa Onda de Verão

Conta a tradição passada que o 15 de Agosto (Feriado Religioso da Assunção de Maria) era dia de passeio para os que viviam nas zonas rurais da região de Lisboa.

Os então chamados “Saloios” não tinham acesso fácil à praia e aproveitavam a ocasião para se deslocarem em carros de bois, carroças e cavalos a Santa Cruz, para aí passarem o dia inteiro.

Pelo facto de ser um dia especial e diferente para as gentes rurais, vestiam os seus melhores trajes para virem à praia. Também se faziam acompanhar dos seus repastos onde vinho, broa, pão e chouriço não poderiam faltar.

As tradicionais “Danças de Roda”, o “Vira” e os “Cantares” faziam parte deste dia para se fazer sentir a alegria vivida. Chegados à praia, a ansiedade de ir a banhos era maior, assim como, o desejo desenfreado de sentir as águas frias do mar.

No contexto de toda esta excitação, as panelas, os pratos de pó de pedra, os talheres e os copos, acompanham o merecido repasto, preparado em suas casas, onde no quadro o arroz de coelho, o mexilhão e o peixe seco ou salgado estavam presentes. Todas as gerações, sem exceção, faziam o passeio neste dia.

Era sem dúvida, um dia marcado por um “passeio de alegria”, que se revive em cada ano, porque a tradição e cultura popular no nosso país merecem ser celebradas.

Este dia é relembrado anualmente, pelos grupos etnográficos e ranchos folclóricos do Concelho de Torres Vedras, através da realização do Cortejo Etnográfico, no dia 15 de agosto.

Esta recriação é baseada no conhecimento e costumes dos mais velhos, preservando a memória social que assim mantem-se viva até aos dias de hoje. Normalmente, no desfile estão representados não só os trajes de trabalho, mas também aqueles usados em ocasiões especiais, como nos casamentos ou o traje domingueiro.

Nesta recriação participam os Ranchos Folclóricos do concelho de Torres Vedras:

  • Rancho Folclórico “As Velhas Glórias” Os Agricultores da Azenha Velha
  • Rancho Folclórico da Colaria
  • Rancho Folclórico da Silveira 
  • Rancho Folclórico e Etnográfico Danças e Cantares da Mugideira
  • Rancho Folclórico e Etnográfico Danças e Cantares de Campelos
  • Rancho Folclórico e Etnográfico Danças e Cantares do Furadouro
  • Rancho Folclórico e Etnográfico Flores do Oeste – A dos Cunhados
  • Rancho Folclórico e Etnográfico Os Camponeses do Varatojo
  • Rancho Folclórico e Etnográfico Os Rurais do Furadouro

 

Autobiografia
"Olá, o meu nome é Ana (Silva) Backhaus, sou fotógrafa documental, Portuguesa, nascida em Lisboa.

Após seis anos a trabalhar como arquiteta, foi em 2011 que a minha vida levantou voo para embarcar naquela que seria uma grande aventura, trabalhar como Hospedeira de Bordo.

A fotografia fez, desde cedo, parte da minha vida, mas foi em 2015 após uma viagem à Namíbia que o “click” aconteceu mais seriamente. Desde então, a fotografia tornou-se um investimento pessoal e foi conciliado com a vida de hospedeira.

Comecei por fazer fotografia de viagem e de rua. Grande parte da inspiração era originada por todas as experiências sensoriais que vivia nos diferentes países que visitava, mas foi o elemento humano e a diversidade cultural o que verdadeiramente me apaixonou.

A maternidade mudou as minhas prioridades e amadureceu a minha visão do mundo e o meu olhar fotográfico. Compreendi que a abordagem documental é aquilo com que mais me identifico e, consequentemente, comecei a contar a história da minha própria família, porque passei a valorizar, ainda mais, o registo de momentos vividos e partilhados na vida real do dia a dia.

O Dubai tem sido também a minha casa há oito anos e, neste momento, dedico-me a abraçar um projeto novo a tempo inteiro. Contar histórias de quem me dá oportunidade, é a minha missão, sendo a fotografia a minha forma de expressão e ferramenta de trabalho.

Foi com este amor por documentar momentos e contar histórias, que, em 2018, fotografei o “dia do Saloio” em Santa Cruz, a praia onde também eu cresci.

Esta exposição conta a história deste dia sob o meu olhar, tendo como objetivo valorizar a cultura e as tradições do nosso país, bens preciosos que criam a identidade de lugar onde quer que viajemos."

Inauguração: 11h00


Atividade Gratuita


Última atualização: 14.08.2020 - 16:57 horas
voltar ao topo ↑