Torres Vedras

Conselhos de alimentação

Conteúdos desta página

  1. Alimentação Saudável
  2. Roda dos Alimentos
  3. Erros alimentares mais frequentes

Alimentação Saudável

Na idade escolar, a alimentação saudável é um dos fatores determinantes para o normal e concordante crescimento e desenvolvimento, facilitando a promoção de saúde e prevenindo por outro lado doenças associadas a uma alimentação incorreta, sendo a obesidade a mais conhecida e difundida.

Portugal é um dos cinco países com mais adolescentes obesos, segundo o relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS, 2017).

O consumo de vegetais e de fruta é insuficiente, daí a importância da aquisição de hábitos alimentares saudáveis durante a infância, os quais determinam os comportamentos alimentares na adolescência e idade adulta.

Um padrão alimentar saudável deve ser equilibrado, completo, variado e também agradável ao gosto, ao paladar e à vista das nossas crianças.

“Somos aquilo que comemos”, frase proferida por Hipócrates (o pai da Medicina), há mais de 2500 anos e tão atual. Os Pais, Famílias, Educadores, Professores e Município desempenham um papel muito importante na aprendizagem do “saber comer”.

As crianças só aprendem os hábitos alimentares através da observação dos adultos, vivenciado a escolha, a preparação e confeção dos alimentos e, neste contexto o Município através do fornecimento das refeições escolar complementa o papel dos pais na educação alimentar dos seus filhos.

A escola é hoje o local onde muitas crianças recebem grande parte da alimentação diária, pelo que a educação alimentar tem que ser constante e, é com base neste princípio, que são elaborados os planos de ementas escolares. A alternância de pratos de peixe e de carne, a presença diária de produtos hortícolas e consumo de fruta são uma obrigatoriedade e, com a entrada em vigor da Lei 11/2017 de 17 de abril, também é obrigatoriedade a elaboração de um plano de ementas com pratos vegetarianos para os alunos cujo Encarregado de Educação optou por essa escolha alimentar.

O acompanhamento facultado pelos apoios adultos é de incentivo e de ajuda aos alunos que apresentam maiores dificuldades ou renitência para alguns alimentos menos apreciados, como a sopa, o peixe, as leguminosas e salada sendo portanto, uma prioridade.

Crianças bem alimentadas são crianças mais saudáveis, mais preparadas para a vida e certamente mais felizes!


Roda dos Alimentos

A Roda dos Alimentos, é um instrumento de educação alimentar, destinado a toda a população, que ajuda a escolher e a combinar os alimentos que devem fazer parte da alimentação diária.

Utilizada desde 1977, como parte da campanha de Educação Alimentar " Saber comer é saber viver", sofreu recentemente uma reestruturação, motivada por conhecimentos científicos e pelas alterações nos hábitos alimentares portugueses.

A nova Roda dos Alimentos é composta por 7 grupos, com funções características nutricionais específicas, pelo que todos eles devem estar presentes na alimentação diária, não devendo ser substituídos entre si.

  • Cereais e tubérculos - 28%;
  • Hortícolas - 23%;
  • Fruta - 20%;
  • Lacticínios - 18%;
  • Carnes, pescado e ovos - 5%;
  • Leguminosas - 4%;
  • Gorduras e óleos - 2%;

A água, não possuindo um grupo próprio, está também representada em todos eles, pois faz parte da constituição de quase todos os alimentos. Sendo a água imprescindível à vida, é fundamental que se beba diariamente em abundância. As necessidades de água podem variar entre 1,5 e 3 litros por dia.


Erros alimentares mais frequentes

  • Elevado consumo de sal

O elevado consumo de sal é responsável pela elevada prevalência de doenças como a hipertensão arterial.

 

  • Elevado consumo de bebidas alcoólicas

Problemas psicossociais e afetivos, cirrose hepática e diversos acidentes de viação e de trabalho têm no elevado consumo de álcool o seu grande responsável.

 

  • Elevado consumo de gorduras saturadas 

A obesidade, as doenças cardiovasculares, entre outras estão associadas ao elevado consumo de gorduras saturadas na nossa alimentação.

 

  • Elevado consumo de açúcar e alimentos açucarados

Quando consumidos em excesso, podem contribuir para o desenvolvimento de doenças como a obesidade e a cárie dentária.

 

  • Reduzido consumo de alimentos ricos em fibras

As Hortaliças, legumes e frutos são excelentes fornecedores de fibras alimentares, vitaminas e minerais. De acordo com a Organização Mundial de Saúde o seu reduzido consumo está relacionado com o aumento da prevalência de doenças como a obstipação e alguns tipos de cancros.

 

  • Saltar refeições e não tomar o pequeno-almoço 

Começar o dia sem tomar o pequeno-almoço é um erro alimentar muito frequente. As suas consequências são hipoglicemias matinais, falta de atenção, diminuição do rendimento intelectual na escola e no trabalho, entre outras. Saltar refeições intercalares, como as merendas da manhã e da tarde contribui para a perda da massa muscular e alterações do apetite.


voltar ao topo ↑