Torres Vedras

Revolution Hope Imagination passou pelo Concelho

19.09.2019

Imagem da intervenção da vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Torres Vedras, Ana Umbelino, no Bang Venue

O concelho de Torres Vedras é um dos locais do país que já acolheu a iniciativa Revolution Hope Imagination (RHI).

Este projeto, que se constitui como um diálogo artístico mundial, está a visitar Portugal entre 14 e 21 de setembro, dinamizando atividades também em Lisboa, Caldas da Rainha, Óbidos, Guimarães, Leiria, Alcobaça, Évora, Vidigueira, Loulé e Funchal. No Concelho passou pela Cidade no dia 15 de setembro e por Santa Cruz no dia seguinte.

Revolution Hope Imagination é uma iniciativa do Arte Institute, uma entidade sediada em Nova Iorque que pretende criar um diálogo entre a arte e os negócios, a cultura e o turismo, trazendo essa discussão para Portugal através de um período de talks, workshops e espetáculos, reunindo curadores, programadores culturais e artistas vindos de várias partes do mundo.

De realçar que curadores e programadores do RHI são nomes reconhecidos das artes em Portugal como José Luís Peixoto, Afonso Cruz, John Gonçalves, Ivo Canelas, Marta de Menezes, Paula Abreu, Pedro Varela e Nuno Bernardo, entre outros. 

No âmbito desta iniciativa, Torres Vedras recebeu cerca de 20 programadores internacionais, de diversas áreas artísticas, nomeadamente música, dança, teatro e cinema: Paula Abreu, Jill Sternheimer, Matthew Covey, Catalina Maria Johnson, M. A. Papper, Ian Noble, Judy Tsang, Laura Quinlan,  Leigh Ann Hahn,  Tom Pryor,  Memeht Dede, Leticia Santinon, Teresa Ugarte, Allison Plamondon,  Andreia Pinto Correia, Lucio Gregoretti, Mi Ryung Song e Derek Bermel.

No dia 15 de setembro, no Bang Venue, a Câmara Municipal de Torres Vedras, por intermédio da vereadora da Cultura, Ana Umbelino, acolheu a comitiva do RHI, tendo a autarca efetuado uma apresentação transversal do panorama cultural do Concelho, a que se seguiu a apresentação de projetos locais, nomeadamente: “Temporada Darcos” (pelo seu diretor artístico, Nuno Côrte Real), “Festival Novas Invasões” (pelo diretor artístico do mesmo, João Garcia Miguel); “Performact - Curso Intensivo de Intérprete em Dança Contemporânea” (longa duração) e “Summer Intensive Portugal – curso intensivo de Verão em dança contemporânea” (curta duração), ambos apresentados pela produtora Martina Ambrózio.

Terminadas as apresentações e, após uma degustação de produtos locais a cargo da Moinhos da Capucha, a comitiva foi convidada a conhecer alguns locais de interesse turístico no centro histórico da Cidade, num percurso que passou pela Praça Dr. Alberto Manuel Avelino, Praça do Município, Chafariz dos Canos e Praça da República. Em pontos estratégicos do percurso, o grupo teve oportunidade de assistir a uma performance de dança contemporânea intitulada PORTRAITS, do criador e intérprete Ricardo Ambrózio, com produção da associação Untamed.

Já na parte final do dia, o coletivo teve oportunidade de conhecer Santa Cruz e de contactar diretamente com alguns artistas locais no Noah Beach House, nomeadamente NBC, Karina Gomes, Zoy e Temudo.

No segundo dia da passagem do RHI pelo Concelho, pela manhã, desenvolveu-se na Pousada da Juventude de Santa Cruz um novo momento de networking. Os temas abordados foram o Carnaval de Torres e a música tradicional, mais concretamente, a música dos tocadores de gaita de foles da Estremadura cuja tradição no Concelho é, recorde-se, muito antiga.

Na ocasião foi projetado um excerto do filme A minha cidade (acerca do Carnaval de Torres Vedras), o qual conta com argumento, produção e realização de Luís R. T. Matos, tendo se seguido uma apresentação da compositora e intérprete Susana Félix que, após a exibição do vídeo do Samba da Matrafona, explicou o processo de trabalho que desenvolveu com os artistas brasileiros Zeca Pagodinho e Emicida para a criação deste tema.

Seguidamente, Mário Estanislau, músico, compositor e construtor de instrumentos musicais tradicionais - nomeadamente de gaita de foles, bem como de instrumentos de cordas - explicou a importância de se manter a tradição dos mesmos no Concelho, contribuindo-se assim para a preservação da respetiva prática e integrando-a na cultura moderna. A finalizar este momento de networking foi ainda apresentado um excerto do documentário O toque da gaita de foles, onde é retratado o trabalho desenvolvido por Mário Estanislau e Victor Félix por meio da oficina Sons da Música, a que se seguiu uma apresentação de três temas interpretados por estes tocadores de gaita de foles e por João Raimundo (percussão).

De salientar que além dos produtores internacionais e artistas torrienses ou a viver em Torres Vedras que integraram esta atividade, foram ainda convidados a estar presentes em vários momentos da mesma cerca de 30 agentes culturais locais, promovendo-se assim o cruzamento de experiências e a troca de contactos.

O RHI vai continuar ativo em Portugal depois da sua passagem pelo país, por meio de uma plataforma online que vai garantir a sustentabilidade dos objetivos da iniciativa, criando também redes nacionais e, ao mesmo tempo, abrindo portas para a internacionalização dos artistas portugueses. Uma plataforma a que qualquer produtor de qualquer parte do mundo pode ter acesso e, assim, conhecer o trabalho dos artistas nacionais.

voltar ao topo ↑