Torres Vedras

Intervenção de valorização do Castro do Zambujal

03.05.2017

O Castro do Zambujal, um dos mais importantes monumentos do calcolítico peninsular, classificado como Monumento Nacional em 1946, vai ser a breve prazo objeto de uma intervenção de valorização.

A respetiva intervenção terá três componentes: conservação e restauro (estabilizando o conjunto das estruturas arqueológicas a descoberto e promovendo a sua proteção e conservação); paisagismo (realização nomeadamente de arranjos na área para estacionamento, de caminhos e de vegetação, e instalação de mobiliário urbano e de vedações); e museografia digital (criação de um áudio guia numa experiência mobile, o que será complementado por painéis informativos e um folheto impresso).

São objetivos subjacentes ao projeto de valorização do Castro do Zambujal: promover a conservação e restauro de um dos monumentos mais importantes do calcolítico peninsular; possibilitar a fruição pública do Castro do Zambujal, enquanto destino turístico‐cultural; e estimular a atividade económica de Torres Vedras e da região envolvente ao mesmo.

De referir que para além da Câmara Municipal já ter adquirido os terrenos envolventes ao Castro do Zambujal, todos os anos tem assegurado a limpeza da vegetação na zona monumental das ruínas do mesmo, o que tem permitido a visibilidade das estruturas respetivas a quem visita este sítio arqueológico. Têm também prosseguido os trabalhos de investigação científica no local, dirigidos por Michael Kunst em parceria com o Instituto Arqueológico Alemão e com o apoio logístico da Câmara Municipal. No âmbito das suas competências a Direção‐Geral do Património Cultural (DGPC) tem autorizado e fiscalizado as intervenções arqueológicas. Vários artigos e edições têm divulgado junto da comunidade científica nacional e internacional a importância do Castro do Zambujal. Os campos de trabalho arqueológico no mesmo têm sido também uma referência na preparação de jovens arqueólogos e promovido a divulgação deste povoado junto do meio universitário.

 

NÚMEROS

Área: 1,6 ha

Custo: Cerca de 355 mil euros (cofinanciado em 85% pelo Programa Operacional Regional do Centro, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional)

Prazo: 2.º semestre de 2017