Torres Vedras

Lixo marinho

O Município de Torres Vedas encontra-se a participar em conjunto com outras autarquias (Ílhavo, Lagos, Pombal, Póvoa do Varzim e Torres Vedras), Capitanias, Agência Portuguesa do Ambiente através das Administrações de Região Hidrográfica e Associação da Bandeira Azul da Europa (ABAE), num Programa de Monitorização do Lixo Marinho em praias, desde Janeiro de 2013.  Este Programa é coordenado a nível nacional pela Agência Portuguesa do Ambiente.

Este programa de monitorização de lixo marinho em praias segue as “guidelines” da OSPAR (Convenção para a Proteção do Meio Marinho do Atlântico Nordeste) e é realizada 4 vezes por ano (Inverno, Primavera, Verão e Outono) em 9 praias do Continente - Região Norte: Cabedelo (Viana do Castelo) e Estela/Barranha (Póvoa do Varzim), Região centro: Barra (Ílhavo) e Osso da Baleia (Pombal), Região Tejo e Oeste: Amoeiras (Torres Vedras) e Fonte da Telha (Almada), Região do Alentejo: Monte Velho (Santiago do Cacém) e Região do Algarve: Ilha de Faro (Faro) e Batata (Lagos).

Os resultados relativos ao primeiro biénio do programa de monitorização do Lixo Marinho em praias estão disponíveis no Relatório do Programa de Monitorização do Lixo Marinho (2013-2014) – Portugal, no site da Agência Portuguesa do Ambiente

Os dados estão agregados por Região Hidrográfica, isto é, os resultados da região Tejo e Oeste inclui os dados das praias das Amoeiras (concelho de Torres Vedras) e da Fonte da Telha (concelho de Almada).

O que é o Lixo Marinho?

O Lixo Marinho é qualquer material sólido descartado persistente, manufaturado ou processado, eliminado, abandonado ou perdido no ambiente marinho e costeiro, incluindo materiais transportados de terra pelos rios, sistemas de drenagem ou sistemas de tratamento de águas residuais ou vento, para o ambiente marinho.

O Lixo Marinho tem origem em diferentes fontes terrestres e marítimas e a sua tipologia é amplamente baseada nos padrões de consumo. Do lixo marinho fazem parte uma vasta gama de materiais, incluindo plástico, metal, madeira, borracha, vidro, borracha, vestuário e papel, no entanto os estudos comprovam que cerca de 80% dos materiais identificados são plástico.

O Lixo Marinho, e em particular a acumulação de lixo de plástico, tem vindo a ser identificado como um dos maiores problemas globais dos nossos tempos. O lixo marinho pode ser transportado pelas correntes dos oceanos desde a sua origem até longas distâncias e pode ser encontrado em todos os compartimentos marinhos e mesmo em zonas remotas tais como ilhas desertas no meio do oceano ou no mar profundo, literalmente esta poluição está presente em todos os ecossistemas oceânicos. O lixo marinho tem, uma gama vasta de impactos adversos, quer para a fauna quer para a flora marinhas, bem como em termos sociais e económicos para o Homem.

Embora o lixo marinho seja uma das fontes de problemas de poluição mais difundidas pelo planeta é uma para a qual os cidadãos individualmente podem de imediato ser parte da solução; isto porque a origem de todo o lixo marinho pode ser rastreado até uma única fonte – as pessoas. Nas últimas dezenas de anos, a composição da maioria dos resíduos sólidos produzidos são constituídos por materiais sintéticos duráveis que podem permanecer no ambiente por muitos anos causando perigo continuado aos ecossistemas. Com o aumento a nível mundial da população costeira é expetável que a quantidade de detritos que entra nos oceanos também aumente. Consequentemente é importante tomar medidas para manter os detritos afastados dos oceanos e linhas de água e preservar a qualidade do ambiente marinho.